Laboratório de Oceanografia Química
  • 1º Encontro sobre Lixo Marinho do Atlântico Sul

    Publicado em 18/09/2017 às 12:37

    No dia 2 de Outubro será realizado em Itajaí, Santa Catarina, o primeiro Encontro sobre Lixo Marinho do Atlântico Sul, evento que visa reunir os principais atores da academia, governo e empresas com interesse em pesquisas sobre soluções para os problemas causados pelo lixo no ambiente aquático, definindo estratégias para mudanças em diferentes níveis da produção, consumo e descarte dos materiais plásticos e dos estudos relacionados ao monitoramento e controle da poluição marinha. O encontro será organizado pelo Veleiro ECO (Expedições Científicas Oceanográficas) e CIANO (Centro de Iniciativas Ambientais, Navais e Oceanográficas).

    Para participar do evento é necessário se inscrever em cada atividade que deseja participar, exceto a mostra de filmes, que será por ordem de chegada. As inscrições iniciaram no ultimo dia 10 e vão até dia 30 de Setembro. As palestras vão das 9hrs até às 11:30, das 14hrs até às 17hrs será a Mostra de Cinema Ambiental PLANETA.doc Lixo Zero e uma mesa redonda com os comandantes Amyr Klink e Vilfredo Schurmann encerrará o encontro entre 18hrs e 19hrs.

    Para mais informações e inscrições, visite a página oficial do evento em: http://www.veleiro.eco.br/pt/eventos/


  • Como a saúde pública é afetada pela falta de saneamento básico?

    Publicado em 11/09/2017 às 12:08

    Fonte: http://www.saneamentoja.org.br/

    O saneamento básico é a forma mais eficiente para prevenir doenças veiculadas a água, porém estima-se que nos países em desenvolvimento cerca de 90% do esgoto seja lançado sem tratamento nos corpos de águas. No Brasil, o cenário não é mais otimista, pois apenas 46,2% da população têm acesso à coleta e ao tratamento de esgoto, como aponta o Instituto Trata Brasil (2013).

    A nossa cidade aparece na 49ª posição do ranking do saneamento 2016, sendo o indicador de atendimento total de esgoto de 57,5% (TRATA BRASIL, 2017) e Santa Catarina foi classificado como o sexto pior estado brasileiro nesse quesito.

    As alunas Mariana Gandra e Aichely Silva, sob a orientação da profa. Dra. Alessandra Fonseca, criaram uma nota de conscientização sobre a importância do saneamento básico para a saúde da população. Confira o texto na íntegra em http://biogeoqmar.paginas.ufsc.br/divulgacao/como-a-saude-publica-e-afetada-pela-falta-de-saneamento-basico/.


  • Projeto MAArE lança livro e mostra os riscos da ação humana e a importância da Reserva do Arvoredo para SC

    Publicado em 26/08/2017 às 1:51

    Foto: Bruna Gregoletto

    Após três anos de pesquisa e 130 expedições ao mar, o Projeto de Monitoramento Ambiental da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo e Entorno (MAArE) lançou nesta última quarta-feira (23) seu livro “MAArE”, num evento para convidados no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis.

    O projeto foi coordenado pelo Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC e os dados de suas pesquisas, feitas entre 2014 e 2016, foram copilados em relatórios técnicos e científicos, que geraram uma série de trabalhos acadêmmicos, como artigos e teses. O livro, porém, foi feito em uma linguagem simples e acessivel e com muitas fotografias, para quem possa se interessar pela preservação da natureza e monitoramento ambiental.

    O livro também está disponível para download. Para mais informações, visite a página do projeto.


  • Laboratório de Oceanografia Química monitora formas de poluição nos rios costeiros de SC

    Publicado em 02/08/2017 às 12:38

    No dia 14/07 a principal página de notícias da UFSC publicou um artigo sobre a monitoração de formas de poluição em rios costeiros do Estado, trabalho feito pelo Laboratório de Oceanografia Química da Universidade.

    Veja o artigo na íntegra em http://noticias.ufsc.br/2017/07/laboratorio-de-oceanografia-quimica-monitora-formas-de-poluicao-nos-rios-costeiros-de-sc/


  • Mundo à Beira Mar – Feira de Ciências

    Publicado em 13/07/2017 às 13:38

    Sábado (08/07) houve a feira de ciência na EBB Padre Anchieta onde alunos apresentaram os resultados dos projetos em parceria com Mundo à Beira Mar: lixo (da casa ao oceano) e Ponta do Coral. Com Judy Rezende (prof Bio), outros queridos professores e alunos.

    Assista ao teaser do documentário sobre a Ponta do Coral – Um Mundo à Beira Mar:

    Continue a leitura » »


  • Carta da Jornada Sobre Acidificação dos Oceanos

    Publicado em 13/07/2017 às 11:35

    Resta apenas um minuto! O planeta terra surgiu a cerca de 4,6 bilhões de anos. Se colocarmos toda a evolução do planeta em um período de 46 anos, o homem surgiu a 4 horas. Da Revolução Industrial até aqui, último minuto da história recente da vida, fomos responsáveis pela transformação do planeta a ponto de produzirmos o Antropoceno – uma nova Época do planeta, marcado pela ação humana. Se mantermos o nosso modo de vida, com forte interferência na dinâmica da terra, a previsão é que resta apenas um minuto para resguardarmos o direito das gerações futuras de terem um ambiente saudável e equilibrado! Mas ainda dá tempo!

    Continue a leitura » »


  • Links importantes para estudo biogeoquímico

    Publicado em 17/03/2015 às 18:37

    Para calcular solubilidade de CO2 na água do mar, acesse página.

    References

    1. Duan ZH. and Sun R. (2003) An improved model calculating CO2 solubility in pure water and aqueous NaCl solutions from 273 to 533 K and from 0 to 2000 bar. Chem Geol. 193(3-4), 257-271.

    2. Duan ZH., Sun R., Zhu C., and Chou I. M. (2006) An improved model for the calculation of CO2 solubility in aqueous solutions containing Na+, K+, Ca2+, Mg2+, Cl-, and SO42. Marine Chem. 98(2-4), 131-139.


  • Bem vindo à página do Laboratório de Biogeoquímica Marinha da UFSC!

    Publicado em 24/03/2011 às 15:37

    A atividade humana nas áreas costeiras tem alterado o uso do solo e dos habitats naturais, modificando as taxas e os balanços dos processos biogeoquímicos. O despejos de efluentes domésticos e industrias, o uso de fertilizantes e a queimas de combustíveis fósseis aumentam a carga de nitrogênio, de fósforo e de carbono na interface continente-oceano, gerando a eutrofização “cultural”.

    A eutrofização tem causado anoxia nas águas costeiras, alterações nas comunidades fito- e zooplanctônicas, proliferação de macroalgas bênticas, perda da biodiversidade e do aumento na incidências de algas tóxicas, causando alteração da coloração das águas costeiras.

    Em uma perspectiva global, as zonas costeiras tem se apresentado como heterotróficas, considerando que uma maior quantidade de matéria orgânica tem sido acumulada e degradada ao invés de ser localmente produzida. Portanto, para o entendimento da ciclagem dos elementos biogênicos em ecossistemas costeiros necessita-se quantificar, em caráter temporal e espacial, os teores destes constituintes na coluna d’água e no sedimento, determinar as taxas de produção e mineralização da matéria orgânica, quantificar os fluxos destes elementos entre os diversos compartimentos do ecossistema e entre ambientes.